Quinta-feira, 5 de Novembro de 2009

O bispo do Porto deixou de ter capacidade para nos surpreender. D. Manuel Clemente foi em tempos tido como o prelado mais ortodoxo da Igreja portuguesa, mas ultimamente limita-se a confirmar o que de pior existe no nosso episcopado. No início do ano colocou-se ao lado de D. Ilídio sobre o preservativo e o divórcio. Agora, vem defender o referendo ao emparelhamento legal de homossexuais.

 

A estratégia é simples, embora simplista: se estivéssemos na iminência de um referendo, dizia que há valores que não podem ser referendados; enfrentando a certeza da aprovação da alteração legislativa no Parlamento, o povo passa a ser quem mais ordena. Dirão que se trata de encontrar respostas à altura das situações. Eu acho que não passa de incoerência. É que, neste aspecto, até a Ferreira Leite consegue ser melhor: não fala sequer de coisas que não existem.

 

E o Papa aí a chegar...



publicado por Afonso Miguel às 14:34 | link do post | comentar

9 comentários:
De João C. a 5 de Novembro de 2009 às 17:58
Até o clero está a ser morno no q respeita ao emparelhamento dos paneleiros :x sem comentários :S


De Afonso Miguel a 5 de Novembro de 2009 às 19:08
O nosso clero é morno em tanta coisa, meu caro...


De Luis a 7 de Novembro de 2009 às 00:32
Qual é a alternativa? Deixar o governo legislar? Não viram que o referendo é a derradeira tentativa de tentar parar o processo, atrasa-lo e esperar que o povo tenho o bom senso de o rejeitar?
Se calhar, o clero morno é fruto dos pessimos leigos fundamentalistas no que não é essencial, que se refugiam atrás do incenso e das saias dos padres em vez de no mundo dar testemunho e lutar. Só missinhas em latim não mudam o mundo laico em que vivemos.


De Afonso Miguel a 7 de Novembro de 2009 às 02:55
Essa coisa da teoria do mal menor e de esperar que o povo tenha bom senso, é chão que já deu uvas, meu caro. E uvas muito amargas, diga-se, mas a memória é curta...

Quanto ao resto, é sem comentários. A lengalenga do incenso e do latim morreu de velha. Pelo menos um pouco de originalidade, por favor.


De Luis a 7 de Novembro de 2009 às 14:32
Não morreu de velha não, e sabe porquê caro Afonso, porque começam pelo fim. Não se vê um unico "tradicionalista" preocupado com a evangelização, como anunciar o Evangelho hoje aos jovens, nas escolas. Iniciativas concretas, nem uma. Apenas reclamam a santa missinha que ninguem entende. 
Naturalmente que assim, é impossivel formar as consciencias das pessoas para o que é recto.
Hoje à igreja não fazem falta misssinhas em latim. Fazem falta Critãos que queiram ser santos e vivam o Evangelho  ao ponto dos não cristãos se interrogarem.
A Igreja que os tradicionalistas querem, já morreu é 40 anos, porque o mundo de hoje não é o mesmo de à 40 anos. Mudou radicalmente. A sociedade não é Cristã. Cada vez mais é anti clerical, acha que os padres não tem nada a ver com o casamento dos homosexuais, porque eles nem sequer casam, nem do aborto, porque nao tem filhos, etc.
Hoje o desafio da Igreja é ser como Jesus disse Fermento no mundo. 
Enquanto perdermos tempo com coisas inuteis, o mundo vai cada vez mais no caminho do "principe deste mundo" e vamos perdendo as batalhas. 
Afonso, o que menos importa hoje são as missas em latim. As pessoas já nem sabem o que isso é.
Dou-lhe o exemplo. Vá a uma missa onde hajam escuteiros. Veja 1oo miudos sentados uma hora, avao ouvindo, entendendo mas de forma mais ou menos irrequieta como é normal em crianças.
Imagine-as numa missa em latim. Em que não entendem absolutamente nada do que ali se passa. Queria ver como os aguentava interessados.
O tempo das missas em latim, é o tempo em que os pais iam à missa com os filhos. Hoje os pais despejam os filhos à porta da Igreja para a Catequese, depois escuteiros, e por fim missa. E vão buscá-los às 20h. E passam a tarde nos foruns a passear. 
Este é o mundo de hoje. Se não encontrarmos respostas para o mundo de hoje....prepare-se para o descalabro.
Por isso, não me venha com as missas em latim, que só servem para atrapalhar o duro trabalho que já temos.
E se quer que lhe diga mais, sei do que falo. E bem....


De Afonso Miguel a 7 de Novembro de 2009 às 15:34
Meu amigo, é pena mas você continua na mesma falácia da Missa em latim. Condensa toda a reforma litúrgica do CVII nisso, o que é até bastante redutor para a sua posição. Se o problema fosse a língua, porque não promoveram apenas o uso do vernáculo, em vez de inventarem um novo rito? Vá lá, deixe-se de atoardas gastas por esses 40 anos de preconceito contra um rito que foi, em Trento, resultado de quinze séculos de tradição. Ou também é dos que acham que antes vivíamos nas trevas?...

Mas vamos a factos, já que diz saber bem do que fala.

Diz que os tradicionalistas não apresentam nenhuma proposta concreta para evangelizar. Pois deixe-me dizer-lhe que aquela redução litúrgica que faz deixa-lhe as vistas muito curtas. Se entendesse o problema essencial da reforma, percebia que a Missa é a grande catequese da Igreja e que esse carácter catequético do Santo Sacrifício e dos espaços sagrados em geral foram revolucionados para algo que hoje, por vezes, pouco aparenta de cristão. Por outro lado, a catequese é hoje o quê? Coloque-se à porta de grande parte dos centros paroquiais onde haja catequese em Portugal, e pergunte aos adolescentes dos últimos anos alguns dos fundamentos basilares da Fé. A resposta é surpreendentemente reveladora do estado a que chegou esse lugar primário e privilegiado de evangelização das novas gerações. E depois quer que os cristãos vivam o Evangelho e sejam sinais de Deus no mundo? Como? Pregando que Cristo é amigo de todos sem distinção, um homem bom a quem devemos seguir respeitando e tolerando as heresias dos outros, ao bom estilo moderno conciliarista. De facto, meu caro, o mundo já não é cristão, e o contributo que se espera das gerações que vêm não é muito animador. Vá mesmo aos seminários diocesanos. Fale com seminaristas em final de percurso e à beira de receberem as ordens, e veja com os seus olhos ao que Portugal vai ficar entregue nos próximos anos. Se a pregação no templo é o que é e afigura-se pior ainda para o futuro, que mensagem vão os cristãos transmitir ao mundo? Que doutrina? Ou a doutrina também não foi alterada, por vezes vandalizada, pelo CVII?

Refere os escuteiros. Deixe-me dizer-lhe que tenho pouca simpatia por uma organização que nasce de uma visão maçónica de educação. Aliás, analise o número de escuteiros que, atingindo a idade adulta, se conservam fiéis. Não perceber que transformaram aquilo num ATL que, por acaso, inclui uma Missa semanal, é assobiar para o alto. E por falar em Missa e em compreendê-la, convidava-o a assistir a uma Missa Tridentina na FSSPX, no Priorado de Lisboa, e a verificar o comportamento das crianças que lá vão ter catequese. Pergunte-lhes se não lhes ensinam o que é a Missa e o que estão a ver e a dizer no seu decorrer. Vai achar diferenças abismais com os que saem das catequeses paroquiais e gostam de ir tocar umas guitarradas à Missa enquanto cantam umas coisas inócuas.

Por tudo isto, convença-se de uma coisa: o descalabro já existe, a ruína é que é iminente. Mas, vendo bem, a culpa deve ser da Missa em latim e dos tradicionalistas que não se rendem à descristianização da Igreja...


De JSarto a 7 de Novembro de 2009 às 16:30
Caro amigo, excelente resposta! Tirou-me as palavras da boca! Tinha escrito qualquer coisa aqui nesse mesmo sentido, embora não com tanta arte. Desgraçadamente, esta caixas muitas vezes parecem não querer nada comigo e o meu comentário perdeu-se.


De Afonso Miguel a 7 de Novembro de 2009 às 16:50
Caro amigo, peço desculpa por, por vezes, estas caixas não funcionarem da melhor forma. É um mal generalizado em todos os servidores de blogs. Convém sempre copiar primeiro o texto do comentário, especialmente se este for longo e tivermos gasto algum tempo a escrever. Mas se lhe tirei as palavras da boca, basta-me para saber que o que escrevi está correcto.

Um abraço.


De Miguel a 3 de Dezembro de 2009 às 00:40

Meu caro amigo! Sou cristão católico de Eucaristia diária. Sou um simples homem quem peregrina neste mundo, que não é nosso, até à Nova Jerusalém. Na minha opinião, D.Manuel Clemente é o melhor Bispo de Portugal. Um grande Pastor, com um enorme coração... O mais importante é viver o Evangelho, pois Jesus Cristo deixo-nos não uma ciência mas a vida. Sigam os ensinamentos da Sagrada Escritura, as orientações do magno Concílio VaticanoII e do Magistério da Igreja. Deus é Amor!


Comentar post

escudo_ASC
facebook-button twitter-button
Posts recentes

!

comentários recentes
Afonso Miguel não desista! Muita força para contin...
Filhos de Ramires não desistem.
O que faz o Afonso Miguel aí? Faz o que fazem as t...
A propósito de "trendy"...http://www.youtube.com/w...
Reduzir a despesa do Estado - as famosas gorduras ...
As Missas ordinárias que passam na TV são bem o es...
Estas Missas televisionadas de Domingo são um autê...
Ora nem mais. Adivinhaste o meu pensamento. É exac...
E os fiéis em palhaços de circo... Pobre senhora.
Está a ser uma excelente leitura. Aguado o outro. ...
arquivos
Tags

aborto(1)

arquitectura(7)

bento xvi em portugal(19)

filosofia(23)

fsspx - roma(29)

geral(80)

história(69)

liturgia(165)

maçonaria(36)

monarquia(68)

música(13)

planeta dos macacos(44)

política(307)

religião(468)

todas as tags

blogs SAPO
RSS