Domingo, 18 de Outubro de 2009

O problema do paradigma ideológico actual, que se sobrepõe e engloba todos os que em seu redor gravitam, é a norma que o rege e o critério que, por sua vez, justifica essa norma. A virtude moderna da tolerância absolutizada, transformou-se na referência universal que define o bem e o mal, ou seja, que determina a "justiça".

 

Esta dogmatização divinizadora de uma ideia humana, de uma ideologia que não tende para a verdade mas para a conveniência isolada, é o inimigo a combater. O humanismo pagão, propagador da vontade de ser o homem a estabelecer essa verdade, baseia-se não no conhecimento da transcendência que dá sentido à natureza humana, mas num antropocentrismo que não passa pela contemplação da divindade (Deus como ponto de partida e de chegada, fonte e sustentáculo do meu sentido) e assenta na autojustificação. No fundo, assemelha-se a uma medida que se mede a si própria sem qualquer ponto de comparação que não sejam os seus valores de mensura. Sem nada que a confirme por fora, limita-se ao egoísmo.

 

Isto significa algo muito simples, mas que é propositadamente camuflado, como se a camuflagem fizesse parte da virtude. Significa, pois, que a tolerância tomou a posição de critério de uma norma que manipula a nossa liberdade. E não faz mais do que lhe é pedido, porque nenhuma liberdade vive sem norma, como também nenhuma norma vive sem critério.

 

Outra evidência é que a liberdade é, necessariamente, um campo desenhado com fronteiras. Neste caso, o mundo moderno definiu-as a partir de um sofisma que é a contradição genética daquela tolerância (contradição que lhe concede o disfarce): a suposta possibilidade da liberdade absoluta de consciência, aprisionando-a de imediato nessa visão ideológica de liberdade. Aquilo que nos habituámos a encarar como crimes de ódio, não é mais que a diabolização de tudo o que escape a esta norma e à concorrência para a sua implementação.

 

Conclui-se com isto que a tolerância não permite contraditório, o que é, só por si, contraditório com a sua aparente natureza. Não é portanto consequência de uma lógica racional, embora inspire hoje os processos democráticos dos países que se renderam à internacionalização de um sistema de valores completamente invertidos.

 

E é bom que nos convençamos que esta realidade levanta, obviamente, riscos para a sobrevivência da Igreja. Ser aceitável estabelecer, por exemplo, que ninguém se pode afirmar como depósito de verdade, constrange, em si, qualquer afirmação dogmática da Fé Católica, ilegalizando-a e justificando a perseguição aos cristãos. Conta aqui saber em que medida está a Igreja interessada e empenhada em não se deixar envolver mais pelas mentiras de um relativismo escravizante, que não nos permite ver a outra medida superior que a fundou. No limite, saber se a medida da Igreja continuará a ser a medida de Cristo, de tal modo que tenha de regressar a um estado primitivo, não de recuo litúrgico e doutrinário, mas de luta até à morte.

 

É esta a guerra santa do século XXI. É este o choque de civilizações. A nossa bandeira é o critério da Cruz, pela norma natural e moral da liberdade dos filhos de Deus.

 



publicado por Afonso Miguel às 20:31 | link do post | comentar

3 comentários:
De António Bastos a 20 de Outubro de 2009 às 23:24

Que texto magnífico, caro amigo! De facto não há nada de mais intolerante do que os "tolerantes". A inversão de valores acarreta igualmente que as "elites" do mundo actual sejam seres moralmente invertidos que vêm no poder, não a possibilidade de servir o bem-comum, mas de se servirem a eles próprios. Por outras palavras deixamos de ter aristocracia para termos uma oligarquia de rapina. A partir do momento que se determina que o homem é o juiz dos seus próprios actos a Igreja só pode ser vista como um alvo a abater. Gostei da frase a nossa bandeiraCruzo critério da


De Afonso Miguel a 20 de Outubro de 2009 às 23:43
E o vídeo de Williamson? Brutal, não é?


De António Bastos a 21 de Outubro de 2009 às 23:45
Confesso-te que ontem quando te escrevi aquelas palavras ainda não tinha visto o video, mas agora que já o fiz fiquei absolutamente esmagado. Que rigor intelectual, que clareza na exposição das ideias! Fica muitíssimo bem claro na sua magistral homília até que ponto o veneno satãnico do iluminismo apodrece a mente do homem moderno. Muito obrigado por divulgares este video.


Comentar post

escudo_ASC
facebook-button twitter-button
Posts recentes

!

comentários recentes
Afonso Miguel não desista! Muita força para contin...
Filhos de Ramires não desistem.
O que faz o Afonso Miguel aí? Faz o que fazem as t...
A propósito de "trendy"...http://www.youtube.com/w...
Reduzir a despesa do Estado - as famosas gorduras ...
As Missas ordinárias que passam na TV são bem o es...
Estas Missas televisionadas de Domingo são um autê...
Ora nem mais. Adivinhaste o meu pensamento. É exac...
E os fiéis em palhaços de circo... Pobre senhora.
Está a ser uma excelente leitura. Aguado o outro. ...
arquivos
Tags

aborto(1)

arquitectura(7)

bento xvi em portugal(19)

filosofia(23)

fsspx - roma(29)

geral(80)

história(69)

liturgia(165)

maçonaria(36)

monarquia(68)

música(13)

planeta dos macacos(44)

política(307)

religião(468)

todas as tags

blogs SAPO
RSS