Segunda-feira, 26 de Março de 2012

Como não podia deixar de ser, tenho abordado o tema das conversações entre a Santa Sé e a FSSPX que, estou em crer, têm como único e comum objectivo a reconciliação definitiva entre as "partes". Já o tinha afirmado e mantenho. O comunicado que a Congregação para a Doutrina da Fé emitiu no passado dia 16 de Março, reportando o estado dessas conversações, é mais um sinal disso mesmo. O Papa "deseja" a comunhão plena, a resolução do problema canónico, a abertura ao diálogo e à discussão sobre os problemas que motivaram Mons. Lefebvre. O contrario é considerado de ruptura com "dolorosas e incalculáveis consequências". O que Roma diz é, portanto, que a FSSPX é depositária de algo que a Igreja não pode mais ignorar e arriscar-se a perder:

COMMUNIQUÉ: MEETING BETWEEN THE PREFECT OF THE
CONGREGATION FOR THE DOCTRINE OF THE FAITH
AND THE SUPERIOR GENERAL OF THE SOCIETY OF SAINT PIUS X,
MARCH 16, 2012

 

During the meeting on September 14, 2011, between His Eminence Cardinal William Levada, Prefect of the Congregation for the Doctrine of the Faith and President of the Pontifical Commission Ecclesia Dei, and His Excellency Bishop Bernard Fellay, Superior General of the Society of Saint Pius X, a Doctrinal Preamble, accompanied by a Preliminary Note, was delivered to the latter, as the fundamental basis for achieving full reconciliation with the Apostolic See. This Preamble spelled out certain doctrinal principles and criteria for interpreting Catholic doctrine that are necessary to ensure fidelity to the Church’s Magisterium and sentire cum Ecclesia.

The response of the Society of St. Pius X to this Doctrinal Preamble that arrived in January 2012 was submitted to the Congregation for the Doctrine of the Faith for their review and was then forwarded to the Holy Father for his judgment. In compliance with the decision by Pope Benedict XVI, the evaluation of the response of His Excellency Bishop Fellay was communicated to him by a letter delivered to him today. This evaluation notes that the position that he expressed is not sufficient to overcome the doctrinal problems that are at the basis of the rift between the Holy See and the aforesaid Society.

At the conclusion of today’s meeting, out of a concern for avoiding an ecclesial rupture with painful and incalculable consequences, the Superior General of the Society of Saint Pius X was invited to be so kind as to clarify his position so as to heal the existing rift, as Pope Benedict XVI wished.
A FSSPX quer o mesmo? Obvio que sim. Foi criada para isso e nunca quis outra coisa. Se não o desejasse também, teria sequer iniciado este diálogo? Teria entrado na polémica pela polémica? Estaria agora, pela voz interna da fraternidade na Alemanha, a clamar por orações pelo "bem da Igreja" com "esperanças legítimas de uma solução satisfatória"?...

Tudo se ajeita, meus amigos. Esperemos pelo próximo mês. E entretanto, Mons. Nicola Bux fala por nós:
A Sua Excelência Dom Bernard Fellay e aos padres da Fraternidade Sacerdotal São Pio X
Excelência Reverendíssima,

Caríssimos Irmãos,

A fraternidade cristã é mais poderosa do que a carne e o sangue, porque ela nos oferece, graças à Divina Eucaristia, um antegozo do paraíso.

O Cristo nos convidou a fazer a experiência da comunhão, pois é nela que consiste nosso “eu”. A comunhão é estima a priori pelo próximo, porque nós temos em comum com ele o único Salvador. Por isso a comunhão está pronta a todo sacrifício em nome da unidade; e esta unidade deve ser visível, como nos ensina a última invocação da oração endereçada por Nosso Senhor a seu Pai – “ut unum sint, ut credat mundus” –, porque ela é o testemunho decisivo dos amigos de Cristo.

É inegável que muitos fatos do Concílio Vaticano II e do período sucessivo, relativos à dimensão humana deste acontecimento, representaram verdadeiras calamidades e causaram sentidas dores em grandes homens da Igreja. Mas Deus não permite que Sua Igreja possa chegar à autodestruição.

Não podemos considerar a dureza do fator humano sem ter confiança no divino, ou seja, na Providência que, sempre respeitosa da liberdade humana, guia a história, e em particular a história da Igreja.

A Igreja é ao mesmo tempo instituição divina, divinamente garantida, e obra dos homens. O aspecto divino não apaga aquele humano – personalidade e liberdade – nem necessariamente o inibe; o aspecto humano, permanecendo inteiro, e mesmo comprometendo, não apaga jamais o divino.

Por razões de Fé, mas também em razão das confirmações, ainda que lentas, que observamos no plano histórico, cremos que Deus preparou e continua a preparar no curso destes anos homens dignos para remediar os erros e abandonos que todos nós deploramos. Já surgem, e surgirão sempre mais, obras santas, isoladas umas das outras, mas que uma estratégia divina coliga à distância e assim a ação se torna um desenho ordenado, como aquela que ocorreu milagrosamente na época da dolorosa revolta de Lutero.

Estas intervenções divinas parecem se multiplicar na medida em que os fatos se complicam. O futuro o provará, e disto estamos convencidos, e já parece raiar a aurora.

Durante alguns instantes, a aurora, incerta, luta com as trevas, lentas a se retirarem, mas quando ela aponta já se sabe que o sol está lá e que ele percorre inevitavelmente seu curso nos céus.

Com Santa Catarina de Sena, nós queremos vos dizer: “Vinde a Roma com toda segurança”, à casa do Pai comum que nos foi dado como princípio e fundamento visível e perpétuo da unidade católica.

Vinde participar deste bendito futuro em que já se entrevê, a despeito das trevas persistentes, a aurora.

Vossa recusa aumentaria as trevas e não a luz. E já são numerosos os raios de luz que nós contemplamos, a começar da grande restauração litúrgica operada pelo motu proprio “Summorum Pontificum”. Ele suscita no mundo inteiro um grande movimento de adesão da parte de todos aqueles, e notadamente dos jovens, que pretendem engrandecer o culto do Senhor.

Como não considerar ainda os outros gestos concretos e carregados de significado do Santo Padre, como a remissão das excomunhões aos bispos ordenados por Dom Lefebvre, a abertura de um debate público sobre a interpretação do Concílio Vaticano II à luz da Tradição e, consequentemente, a renovação da Comissão Ecclesia Dei?

Restam certamente certas perplexidades, pontos a aprofundar ou a esclarecer, como sobre o ecumenismo e o diálogo inter-religioso (que ademais já foi objeto de um importante esclarecimento trazido pela declaração Dominus Iesus da Congregação para a Doutrina da Fé de 6 de agosto de 2000) ou sobre a maneira em que é compreendida a liberdade religiosa.

Também sobre estes temas, vossa presença canonicamente garantida na Igreja ajudará a trazer mais luz.

Como não pensar na contribuição que vós podereis dar, graças a vossos recursos pastorais e doutrinais, a vossa capacidade e sensibilidade, para o bem de toda a Igreja?

Eis o momento oportuno, a hora favorável para retornar. Timete Dominum transeuntem: não deixeis passar a ocasião da graça que o Senhor vos oferece, nem a deixeis passar a vosso largo sem a reconhecerdes.

O Senhor vos concederá outra?

Não deveremos nós todos comparecer um dia diante do Seu Tribunal e responder não somente pelo mal praticado mas sobretudo pelo bem que nós teríamos podido fazer e que não realizamos?

O coração do Santo Padre palpita: ele vos espera ansiosamente porque vos ama, porque a Igreja precisa de vós para uma profissão de fé comum no meio de um mundo sempre mais secularizado e que parece voltar irremediavelmente as costas a seu Criador e Salvador.

Na plena comunhão eclesial, com a grande família que constitui a Igreja Católica, vossa voz jamais será desprezada, vosso engajamento não será negligenciável ou negligenciado, mas poderá dar, com os de tantos outros, frutos abundantes que de outro modo permaneceriam dispersos.

A Imaculada nos ensina que muitas graças são perdidas porque elas não são pedidas: nós estamos convencidos de que, em respondendo favoravelmente à oferta do Santo Padre, a Fraternidade Sacerdotal São Pio X se tornará um instrumento para acender novos raios nos dedos de nossa Mãe Celeste.

Neste dia que lhe é dedicado, que São José, esposo da Bem-Aventurada Virgem Maria, Patrono da Igreja universal, queira inspirar e sustentar vossas resoluções: “Vinde com segurança a Roma”.

Roma, 19 de março de 2012

Solenidade de São José

Pe. Nicola Bux


publicado por Afonso Miguel às 22:05 | link do post | comentar

2 comentários:
De anonimo a 2 de Abril de 2012 às 10:52
Sabem dos horários da Semana Santa nos centros de Missa da Fraternidade em Portugal? Divulguem por favor!


De Afonso Miguel a 2 de Abril de 2012 às 17:26
Desconheço.


Comentar post

escudo_ASC
facebook-button twitter-button
Posts recentes

!

comentários recentes
Afonso Miguel não desista! Muita força para contin...
Filhos de Ramires não desistem.
O que faz o Afonso Miguel aí? Faz o que fazem as t...
A propósito de "trendy"...http://www.youtube.com/w...
Reduzir a despesa do Estado - as famosas gorduras ...
As Missas ordinárias que passam na TV são bem o es...
Estas Missas televisionadas de Domingo são um autê...
Ora nem mais. Adivinhaste o meu pensamento. É exac...
E os fiéis em palhaços de circo... Pobre senhora.
Está a ser uma excelente leitura. Aguado o outro. ...
arquivos
Tags

aborto(1)

arquitectura(7)

bento xvi em portugal(19)

filosofia(23)

fsspx - roma(29)

geral(80)

história(69)

liturgia(165)

maçonaria(36)

monarquia(68)

música(13)

planeta dos macacos(44)

política(307)

religião(468)

todas as tags

blogs SAPO
RSS