Quarta-feira, 4 de Março de 2009
Nunca percebi bem por que raio os jornalistas portugueses enveredaram todos pela intelectualice moderna do pensamento alinhado. Talvez pela simplicidade do chavão que ajuda ao título sensacionalista, ou pelo compadrio com as classes dominantes do esquema político e cultural que lhes dão o que escrever. No fundo, até compreendo, mas não consigo aceitar que os jornalistas se tenham vendido ao evidente quando, na democracia que tão bem defendem, poderiam ser um contra-poder fortíssimo ao que está instituído como convenientemente aceite.

Surge-me esta preocupação antiga depois de ter lido um post da jornalista Ana Clara (penso que seja da redacção d' O Diabo) em que esta se mostra indignada pela postura da Igreja brasileira no caso de uma menina de nove anos que se encontra grávida. Diz a profissional de informação que é "notícia grave" que esta queira "impedir que uma criança de nove anos, grávida de gémeos, como resultado da violação por parte do padrasto, ponha fim à gravidez". Mais, que "são as posições fechadas, bacocas e conservadoras de uma Igreja que se diz do século XXI e que não acompanha o sinal dos tempos e a sua evolução".

Esta apreciação dos factos demonstra à saciedade o quão baixo desceu a capacidade reflectiva de quem hoje fabrica jornais e, sobretudo, a total assunção da gratuidade com que os enchem. O que Ana Clara não entende, a par da maioria dos seus colegas, é que se pedem coerência à Igreja é normal que haja escândalo perante certas decisões por ela tomadas que partem de posições de fundo há muito defendidas. Que não compreenda que aquelas decisões procedam de uma reflexão que lhes é anterior, é "sinal dos tempos": hoje só dependem da conveniência. Mas que não haja esforço de tolerância pela liberdade de opinião, é atentar contra o próprio deus democrático que idolatram, na contradição a que nos habituámos.

Não conheço os factos que envolvem a situação mas não acredito que a Igreja tenha poder algum sobre os destinos de um cidadão do regime de Lula. Não acredito e não tem. O que tem é o direito de expressar revolta contra o verdadeiro crime: a violação, certamente fruto de uma desordem moral pessoal e familiar sempre atacada pela Igreja. Quanto ao resto, não há praticamente nada que se sobreponha ao valor da vida humana no seu pensamento. Nem mesmo a conveniência particular de ter que forçosamente seguir o dogma da "evolução" (seja para que lado for).

Isso choca? Ainda bem! Agora tratem do violador e dos problemas da Família e deixem a Igreja ser livre na sua bacoquice. Se a querem moderna e evoluída arriscam-se a ouvi-la defender a liberdade de orientação sexual do padrasto da menina (e já esteve mais longe...).

Tags:

publicado por Afonso Miguel às 22:31 | link do post | comentar

6 comentários:
De Diogo a 5 de Março de 2009 às 22:21
Alguém que não alinhe na permanente propaganda esquerdista perde de imediato o tachinho. Os lobbies, seja o da afirmação da esquerda, não por actos, que isso custa-lhes muito, mas de mera rectórica, seja o gay, seja o pró-laicismo etc... é que dão emprego. Vê alguêm na TV, Rádio, Imprensa, a afirmar algum valor de direita? Até figuras mais associadas a um pensamento de direita chegam à TV e começam a ser "simpáticos", politicamente correctos. Sabem que se não for assim não voltam lá e, infelizmente, o mediatismo atrai (deve atrair pois eu não sei) muita gente.


De O Corcunda a 5 de Março de 2009 às 23:06
Basta ver a entrevista do Bispo Clemente hoje. Que a pobreza e a crise atentam contra a dignidade humana, que a homossexualidade é uma escolha livre...
Estas igrejas estão "cheias de falta de fé".


De Afonso Miguel a 5 de Março de 2009 às 23:42
Bem amigo, vá lá que ainda não chegou ao extremo com que acabo este post. Mas o discurso de Clemente, e de todo o episcopado português, vai no mesmo sentido da "evolução": para onde for, conforme o vento soprar!

E vai lá tu tentar explicar a algum católico que a pobreza não implica a indignidade ou que a homossexualidade é uma aberração à ordem natural se queres ver as respostas que te dão... Quando os pastores perdem a cabeça, as ovelhas perdem o rumo.

Um abraço


De Bluesmile a 11 de Março de 2009 às 19:39
Só uma nota: o padrasto da menina é claramente heterosexual.
Portanto, a questão da orientação sexual não se coloca.

Aliás, a maior parte dos pedófilos são homens hterossexuais.


De Afonso Miguel a 11 de Março de 2009 às 23:58
Mas quem é que falou em homossexualidade?!


De Anónimo a 26 de Março de 2009 às 20:18
O corcunda e o afonso.


Comentar post

escudo_ASC
facebook-button twitter-button
Posts recentes

!

comentários recentes
Afonso Miguel não desista! Muita força para contin...
Filhos de Ramires não desistem.
O que faz o Afonso Miguel aí? Faz o que fazem as t...
A propósito de "trendy"...http://www.youtube.com/w...
Reduzir a despesa do Estado - as famosas gorduras ...
As Missas ordinárias que passam na TV são bem o es...
Estas Missas televisionadas de Domingo são um autê...
Ora nem mais. Adivinhaste o meu pensamento. É exac...
E os fiéis em palhaços de circo... Pobre senhora.
Está a ser uma excelente leitura. Aguado o outro. ...
arquivos
Tags

aborto(1)

arquitectura(7)

bento xvi em portugal(19)

filosofia(23)

fsspx - roma(29)

geral(80)

história(69)

liturgia(165)

maçonaria(36)

monarquia(68)

música(13)

planeta dos macacos(44)

política(307)

religião(468)

todas as tags

blogs SAPO
RSS